MJFanForum
Cadastre-se agora no fórum com verdadeiro amor ao Rei e Anjo Michael Jackson! Material exclusivo e atualizado diariamente! Já nos conhece? Então faça o login e aproveite!

Como foram as audiências que levou Murray para julgamento e perder sua licença

Ir em baixo

Como foram as audiências que levou Murray para julgamento e perder sua licença  Empty Como foram as audiências que levou Murray para julgamento e perder sua licença

Mensagem por izilda em Ter Jan 25, 2011 8:07 pm

Primeiro dia em LA:. Testemunhas
de Kenny Ortega, Michael Williams Amir, Muhammed Faheen



Kenny Ortega chamado a depor.

Walden começa perguntas:
Trabalho? Diretor e coreógrafo da produção teatral

Primeiro encontro MJ?1991
MJ interessado em parceria criativa e turnê turnê mundial direção que Ortega
fez.

Esta turnê ... foi discutida com MJ ?
As negociações começaram em abril de 2009 ... MJ e as produções de co-dirigido.

A partir de abril foi a interação então com MJ?
3-4 dias, uma semana antes, em seguida, prod 4-5 dias por semana, quando
ensaiava

conduta de MJ?
Me convidou .. seria grande sobre isso ... ele gostaria de trabalhar comigo ...
animado sobre isso ... um enorme potencial para ser criativo .. MJ e eu
compartilhavamos razões para querer fazê-lo.

Razão?Bom tempo para realizar mais uma vez, seus filhos apreciam, para seus
fãs, lembrar as pessoas para cuidar do planeta e outro.

Ensaios antes de junho de 25 ... foram em ensaios em Burbank no começo e depois
mudou-se cansativos ?
Sim ... de maio e abril. Transferida para o fórum em Los Angeles em junho ...
então vieram as escalas de ensaios .. cansativos grandes. Sim

ELe eram cansativos todos os dias?Sim
Quando os ensaios cansativos começaram?Em algum momento, em Junho

O comportamento do MJ no Staples ... animado?Sim
No calendário geral dos ensaios?MJ as vezes fazia a diferença para a
tripulação, dançarinos, etc MJenvolvidos em todas as decisões criativas.

Sexta-feira 19 de junho de 2009 ... incidente no ensaio ... o quê?
Ortega: no Staples .. MJ chegou, ele não parecia muito bem. MJ estava frio de
fala mansa não parecia bem ...
Será que vc se preocupou?Absolutamente
Ele não estava em condições de estar no ensaio .. ele não parecia bem o
suficiente para estar lá ... ele não ensaiaria e não queria ir para casa ..
pediu coreografia para fazer sua parte e assistir a partir de arena .. isso
aconteceu por um tempo. Ele pareceu muito perdido era assustador .. parecia assustador
.. disse
Perguntado - você prefere ir para casa .. ele disse que iria .. Ortega disse .

Depois o que aconteceu?Uma reunião dia seguinte em casa MJ em 20 de junho.
Será que você sabia sobre o encontro?Não
Quem estava lá?Murray lá ... Frank DeLeo,
gerente de MJ e Randy Phillips.

E o que houve?Rapidamente Murray disse na
reunião sobre mim que eu tinha enviado MJ para casa e não permitir o ensaio e
expressei a minha preocupação com a saúde de MJ .. Murray
disse que não era minha responsabilidade .. para deixar a saúde do MJ para ele
... Murray deu uma bronca em minha direção
...
Sua Resposta?Tentei explicar .. que a escolha foi feita em conjunto ... MJ
estaria em perigo com os outros no palco .. foi escolha de MJ e me apoiaram.
Melhor para todos que eu me concentre no show
MJ fisicamente e emocionalmente bem de acordo com Murray.

Ter 23 jun ensaios retomados. Como foi isso?Fantástico, MJ em grande forma ..
era o MJ que todos nós conheciamos ...
24 de junho?Envolvido, com participação ativa no ensaio ...
Discussões no final MJ ...?Dois dias maravilhosos de ensaiar ... estava se
sentindo bem e confiante ..Perguntei se estava feliz?Ele disse que estava feliz
.. MJ disse que estava feliz .. pediu para agradecer a equipe por todo o trabalho
duro e falou sobre o ensaio nos próximos dias ..Disse boa noite

Qui 25 de junho, notícias de MJ
Teve telefonema a Staples ....Eu estava pronto para o ensaio e Randy foi pegar
MJ para o ensaio .. Randy disse ter sido chamado por motivos diferentes e eu
estou em casa por motivos diferentes, há ambulância no exterior

Chernoff examina Ortega:
A turne iria melhorar a sua reputação?Se dançarinos etc
Se o show fosse realizado, Será que afetam a reputação?Poderia

Reunião na casa .. o que chamou de reunião?Eu não sei.
Por que o gerente estava lá?Quem é Randy Phillips ... no alto da AEG?
No dia 19 observou que MJ estav frio. Primeira vez que MJ veio para o ensaio e
parecia doente?Primeira vez que chegou e parecia que ele não poderia ensaiar?
Sim, para a maior parte estávamos indo para a grandeza ... mas MJ às vezes não
aparecia .. a ansiedade criada por mim ... difícil seguir em frente ... se não
há vontade

Por que não estava aparecendo?Não sei

19 junho: qualquer outra coisa observada?
Ortega:parecia estar em estado que ele não estava presente ... Eu estava
preocupado com sua aparência.


- WILLIAMS AMIR MIGUEL(segurança)

Murray o chamou a 25 de junho,
"parecia muito nervoso."
Ele disse: "Michael teve uma reação ruim Não diga nada para não chamar
emergências.."
Williams chamou na primeira vez um segurança, mas ele não estava em casa, então
eu decidi ligar para Alberto Alvarez.

Quando Michael oficialmente foi declarado morto, Murray
disse que precisava ir para casa para esconder o "creme" que
"Michael não iria querer que o mundo visse."
Durante o caos no hospital, Murray também
pediu para trazer-lhe comida.


-FAHEEN MUHAMMED(segurança)

Murray estava ao lado de Michael, em
pânico, perguntando se alguém sabia como fazer uma CPR. "Alvarez olhou
porque sabíamos que Murray era um cirurgião
cardíaco, entrou em choque."

Michael parecia já morto, "seus olhos e sua boca aberta, lá deitado"

David Walgren disse que Murray "fez
errado o RCP com uma mão na cama."
A maneira correta de fazer isso é com duas mãos sobre uma superfície dura.

Muhammed disse que nunca viu Murray em RCP,
antes que os paramédicos chegaram.

Prince e Paris estavam na sala.
Duas horas depois souberam que seu pai havia morrido no hospital. Dileo disse a
eles.

Murray falou com a família e a polícia antes
de sair da UCLA


Segundo día en LA. Testemunhas Alberto Alvarez, Kai Chase, Richard Senneff

ALBERTO ALVAREZ (segurança pessoal)

. O membro da segurança do chamado de emergência .
Ele estava muito agitado com todos os seus testemunhos. Ele disse:

- 12.17h. - Quando chegou Alvarez, Murray
estava no topo da escada, NÃO no quarto de Michael. Murray
olhou Prince e Paris, que estavam embaixo. Alvarez subiu.

- Quando eles entraram, Murray começou a
CPR. Michael não tinha nada de roupa da cintura para baixo, porque ele tinha um
cateter.

- Michael não estava se movendo, olhos e boca aberta. Murray
disse que Michael havia tido uma reação alérgica

- Murray pediu-lhe para pegar as garrafas da
sala. Murray lhe pediu para retirar o
conta-gotas com uma substância, como leite (Propofol) e guardá-lo em um saco

- Houve um conta-gotas 2 º (que tinha uma solução salina). Murray disse para deixá-lo onde ele estava. Murray pediu para colocar tudo em um saco antes
chamadas de emergência

- Murray não colocou a máquina para ver o
pulso de Michael até um pouco antes que os paramédicos chegaram. Alvarez disse
também que não havia nenhuma máquina que para controlar e monitorar o pulso ou
batimentos cardíacos de Michael, mas o próprio Murray
colocou um "clip" em um dos dedosde Michael logo após a chamada de
emergência

- Murray fez boca a boca ...Ele disse a
Alvarez, que ele nunca tinha feito isso antes e que era porque Michael era seu
amigo

- Prince e Paris estavam observando de uma sala ao lado enquanto eu fazia CPR
em Michael . Murray pediu para tirar as
crianças. Alvarez disse que saissem e não se preocupassem.

- Após a chamada de emergência Alvarez e Murray
colocaram Michael no chão. Então chegou Williams. Alvarez começou a CPR, e Murray boca a boca.

- Alvarez admitiu em interrogatório para o advogado de Murray,
Ed Chernoff, que nunca contou à polícia que Murray
tinha encomendado a ele para eliminar provas, pois poderia vender a sua
história.

KAI CHASE KAI CHASE Foi o chef durante os ensaios.

- Michael tinha uma dieta extremamente saudável

- Normalmente a casa de Michael estava feliz, mas em 25 de junho havia algo
diferente, algo não estava certo. De acordo com ela, Murray
estava muito ansioso naquele dia, em pânico. Ficou claro para ela que algo estava
errado.

- Murray pediu para chamar o Prine, ela lhe
disse para Prince ir, porque algo de ruim pode estar acontecendo com seu pai.
Chase diz que algo estranho aconteceu no dia anterior. Ela tinha preparado uma
sopa para Michael e Murray na noite passada.
Quando ela chegou na parte da manhã, a sopa ainda estava intacto.


RICHARD SENNEFF

Um dos paramédicos que trataram Michael.

- Viemos para a casa de Michael 4 minutos após a chamada de emergência. Quando
foi observado que ele estava muito pálido, seus olhos estavam arregalados e as
pupilas dilatadas e seco. Suas mãos e pés azuis. Isso indica que ele estava
morto.

- Murray, disse que provavelmente esperou 20
minutos para ligar para o 911, de acordo com a condição de Michael. Eles
colocaram um monitor, não tinha batimentos cardíacos ou pulso.

- Eles perguntaram várias vezes a quanto tempo que Michael estava assim, e Murray disse que tinha acabado de acontecer.
Também perguntei repetidamente o que tinha acontecido. Murray
disse que não sabia que Michael estava apenas tratando uma desidratação.

- Os paramédicos perceberam que Murray
estava mentindo desde o início. Basta colocar o monitor e dar-lhe remédios para
fazer seu coração bater novamente. Quando a primeira rodada de medicamentos não
fizeram nada, nós o entubamos.

- Quando Senneff perguntou a Murray quais os
medicamentos que foram dados a Michael, Murray
no primeiro momento negou que tivesse tomado algo. Depois de repetir a pergunta
várias vezes, Murray disse que tinha dado
apenas Lorazepam. Murray não disse nada de
Propofol


terceiro dia audiênciaTestemunha: Dan Myers, o Dr.
Cooper Richelle, Dr Thao Nguyen



Dr. Cooper Richelle

Trabalha desde 1998. Ele conversou com os paramédicos na ambulância.

Eu estava na sala de emergência quando os paramédicos chegaram com o Michael.
Questionei Murray sobre como era a saúde de
Michael. Murray respondeu que ele estava
trabalhando duro, teve problemas de trabalho, ele estava desidratado ... por
isto se tratava, assim foi.

O médico perguntou o que havia lhe dado como remédio. Murray
não disse nada, apenas 2 mg de Lorazepam. Murray
diz que viu o coração de Michael parar, que estava observando quando ele
morreu. Então ele voltou e disse que ele usou remédios demais.

Cooper perguntou sobre o uso de remedios por Michael no passado. Murray não disse nada, mas que havia dado Valium.

Cooper viu que não tinha pulso , nenhum sinal de vida, nada nas tentativas de
ressuscitá-lo, a pedido de Murray. . Ele
continuou a prática de RCP, os medicamentos no IV, deu-lhe o oxigênio. Ainda
não há resposta e sem pulso. Alguém na sala disse que viu pulso, não lembro
quem.

Deram-lhe mais drogas, não fez efeito. Cooper queria que ele fosse declarado
morto às 12:57, mas Murray insistiu em que
continuasse a tentar reanimá-lo.

13,30- Michael sem sinais vitais . Ele decidiu declará-lo morto. Não houve
alteração em relação à primeira vez que os paramédicos chegaram.

Deram o seu sangue. Na UCLA, no protocolo não nomearam , eles colocaram um
número. . Ele usava um cateter. A promotoria perguntou em qual momento usaria
cateter. Ela respondeu: "Em pacientes anestesiados ou aqueles que estão
sendo explorados."

" A promotoria perguntou: "Murray
disse que tinha usado propofol ?" Cooper respondeu: "Não."
A promotoria perguntou: "Por que o propofol é utilizado? Cooper disse:
"Ele é usado em operações". "
"Pode ser utilizado fora de um hospital?" "Não".

A defesa perguntou, "nunca usou propofol?". Cooper respondeu:
"Sim, eu tenho autoridade para usar, qualquer médico pode usar qualquer
medicação."

Defesa pergunta: "Se o propofol é usado junto com outros medicamentos pode
ter outros efeitos?" Cooper respondeu: "Sim, apenas deve ser dado
propofol. As pessoas respondem de forma diferente ao propofol, é preciso um bom
equipamento para monitorar o paciente..
" "
Flanagan (Defesa) dá o peso de Michael ao médico e pergunta qual seria a dose
certa: "Com Propofol Cooper responde:? Eu usaria 60mg, que serviria para
10-20 minutos. Uma dose normalmente leva cerca de meia hora. "

" Cooper acrescentou: "Se der mais de um sedativo, o efeito é
contrario"

Flanagan (Defesa) pergunta: "Teria feito alguma diferença se Murray tivesse dito que deu propofol a Michael
Cooper responde:?" Não, mas eu sempre gosto de saber se algum medicamento
tem sido dado para saber o que aconteceu, mas não mudaria os esforços de
reanimação ".


Thao Nguyen

Foi um cardiologista na UCLA durante 3 anos.Ele é responsável por toda a
unidade.

Ele chamou o Dr. Cooper. Murray disse que
deu 4mg mirazapan a Michael por IV. Com o peso de Michael, leva 15 minutos para
fazer efeito. . Este medicamento é utilizado para tratar a ansiedade.

Nguyen perguntou a Murray: "Você
deu-lhe outra coisa?" Murray respondeu:
"Não".
Nguyen perguntou: "O que aconteceu então?" Murray
respondeu: "Eu encontrei-o sem respirar."
Nguyen perguntou: "Que horas eram?" ." Murray
respondeu: "Eu não sei."
Nguyen perguntou: "uma referência de tempo entre quando você deu o
mirazapan até vê-lo morto e chamou o 911?" Murray:
"Não, eu não sei."

Murray disse a Nguyen para não ter que dar
essa informação a ninguém e tentar salvar a vida de Michael.

Flanagan (Defesa) perguntou a Nguyen : "Quanto tempo têm sofrido os
efeitos do remédio?"Nguyen disse: "Com este medicamento pode estar
dormindo de 15 minutos a 2 horas, dependendo do que outros medicamentos que
você tomou ou a sua história.
Flanagan perguntou: "Você não sabe se na ressuscitação Murray poderia ter lhe dito que Michael tinha
tomado Propofol?" " Nguyen disse: "Não, mas precisamos saber a
história do paciente."

Murray parecia exausto, não tinha nenhuma
expressão no rosto.

Todo en la sala de urgencias era normal. Havia 5 ou 6 pessoas que trabalham em
Michael na época.

Nguyen: "Reverter o efeito de Lorazepam não poderia ser feito na
Universidade da Califórnia, ele deveria ter feito antes, logo após que Michael
parou de respirar."


Dan Myers

O detetive de polícia de Los Angeles. Examinou as chamadas feitas por Murray

Ele falou sobre as chamadas feitas por Murray.

Examinou chamadas do telefone das 07:01 até 13:08 hs. Chamado de pacientes,
pais de amigos, ele recebeu telefonemas de funcionários, etc

Às 12:12 Amir Michael Williams ( assistente, leu os resumos das audiências
anteriores para ver o seu testemunho).

Às 13:08, Murray chamou sua namorada.

[A hora da chamada de emergência foi em 12:21



Quarto dia de audiência: Testemunhas: Sade Anding,
Morgan Bridgette, Nicole Alvarez, Elissa Fleak



Sade Anding

Ela está alegando que ela era a namorada de Conrad Murray
em 25 junho 2009, ela vem de Houston, Texas.
Ela conheceu Conrad Murray em fevereiro e
começaram namorar em final de Março, em Houston
Ela trabalhava como garçonete em Houston.
Sade diz que ela estava no telefone com a Conrad Murray,
que a chamou, às 12h30 hora Houston 10,30 este é o tempo em Los Angeles.
Ela estava no telefone com Conrad Murray por
cerca de 10 minutos, quando, de repente, Conrad Murray
não respondeu de volta mais.
Sade ouviu ruídos de impacto no fundo e ouvi alguém resmungar, mas não pode
dizer quem era essa pessoa.
Porque Conrad Murray não respondeu ela
desligou e tentou chamar de volta cerca de 5 minutos depois.
Conrad Murray não lhe respondeu telefonema.
Poucos dias depois, a políciaa visitou para lhe perguntar sobre Conrad Murray.
Todo esse tempo Conrad Murray não fez
contato com ela até depois da visita da polícia. Disse ela para a polícia, que
nada falaria sem que seus advogados estivessem presente
.

Bridgette Morgan

Foi perguntado se ela conhecia Conrad Murray,
ela disse que sim e apontou para ele.
Quando perguntado o que era seu relacionamento com Conrad Murray ela disse que o relacionamento era social.
Ela disse ao tribunal que conheceu Conrad Murray
em um clube em 2003.
Ela foi perguntada se Murray telefonou para
ela no dia 25 de junho. Ela disse que ele fez a ligação mas não conseguiram
falar e que nunca mais falou diretamente com depois daquele dia.


Nicole Alvarez

Nicole Alvarez é a namorada de Conrad Murray,
Na época que ela conheceu Conrad Murray ela
trabalhava como stripper.

Nicole Alvarez e Conrad Murray se
encontraram em 2005 em um clube em Las Vegas, onde ela trabalhava na época em
que eles desenvolveram um relacionamento íntimo.
Disse ao tribunal que Conrad Murray enviou
vários pacotes para sua casa em Los Angeles entre Algumas das datas em que os
pacotes são recebidos: 29 de abril de 2009, 01 maio de 2009, 13 maio de 2009,
15 de maio de 2009 , ela não mencionou o que havia no pacote pois ela só
recebeu e assinou .
Os pacotes vieram Allied Farmácia em Las Vegas e tinha Propofol , segundo o
depoimento, no total foram sete expedições.
Foi perguntado se ela sabia que Conrad Murray
era casado e a defesa pediu objeção.
Também foi perguntado se ela sabia que Conrad Murray
tinha seis outros filhos e, novamente, a defesa pediu objeção.
Quando perguntei quando ela ficou grávida de Conrad Murray
disse que não sabia
Alvarez disse que ela sabia que Murray saia
de seu apartamento a cada noite para o tratamento de Jackson, mas que o médico
não lhe disse "absolutamente nada" sobre os tratamentos.
Murray e eu estávamos sem nenhuma
necessidade de tomar conhecimento de base. Ele é um homem profissional e sei
qual a minha posição e meu lugar na sua vida e não é o meu dever de saber
"os detalhes de sua prática médica, ela disse.
Ela nunca sabia quando Conrad Murray viria
vê-la.
Quando lhe perguntaram quando Conrad Murray
passou a viver com ela, ela disse que não conseguia se lembrar exatamente.
Nicole também disse à corte que desde que ela teve o bebê Conrad Murray está com eles mais frequentemente.
Quando o promotor perguntou sobre as expectativas do cronograma de Murray, enquanto ele estava tratando Jackson, ela
respondeu, irritada: "Para começar, eu não tenho expectativas com o Dr. Murray, então eu não esperaria outra coisa ... que
é apenas uma regra que eu vivo ".

A defesa não quer interrogar, examina documentos ...


Alicia Fleak

Ela é a investigadora oficial do Coronor's. e ela estava de plantão

Em 25 de junho, ela chegou a 17,20 no hospital UCLA para fazer um exame externo
sobre Michael. Ela não conseguia ver nenhum sinal externo óbvio do que poderia
ter causado a morte de Michael.
Ela obteve 4 frascos de sangue do UCLA com o pessoal rotulados . Estas garrafas
foram levados para o escritório coronors para que eles pudessem fazer testes
toxiology mais tarde.
Após seu exame no hospital ela foi para Carolwood Drive para investigar o
quarto de Michael
Houve 7 frascos / Vails encontrado na cama de Michael entre os itens
encontrados estavam lorazopam, diazopam, tomazopam, trazodona, Flomax,
clonazopam, tizandine benoquin, hydroconone e três tubos de lidocane.
No lado direito da cama, no bedroomfloor, foi encontrada uma seringa quebrada,
uma agulha, um tanque de oxigênio, um stand com um kit IV IV em anexo, uma
bolsa de soro, com tubos ligados, quatro potes com urina, "saco e um canua
nasal, que foram separados de um ao outro e suas listado como um seringe quebrado.
Houve também uma seringa encontrados . Uma caixa aberta de agulhas hipodérmicas
descartáveis foi encontrado sobre uma mesa.
Um frasco de 200 mg de propofol caido no chão e havia um frasco de 200mg aberto
e vazio entre duas mesinhas de cabeceira.
A maioria dos medicamentos foram prescristos por Conrad Murray.
Em 29 de junho de 2009 ela voltou para Carolwood Drive para ver se ela poderia
encontrar mais provas
Em um armário, ela encontrou diversos sacos contendo a droga.
Tinha um saco de loção bedoquin.
Tinha uma caixa com três garrafas de 30ml Lidocane, dois deles estavam vazias e
ainda tinha um pouco de líquido na mesma.
Ela encontrou um frasco de 100 mg de propofol em um dos sacos que foi aberto.
Ela declarou que esta garrafa estava dentro de uma bolsa de soro. O frasco foi
aberto e tinha o líquido da mesma.
Ela disse que encontrou outra garrafa de 20mg de propofol em um saco. Este
frasco também foi aberto e tinha líquido da mesma. Ela também encontrou um
frasco de 10ml morazapam, aberto e com líquido dentro. 2 frascos de 10 ml de
midazolam, ambos abertos e dois com líquido dentro.
Ela encontrou um monitor de pulso de dedo em um saco.
E ainda assim ela encontrou um outro saco contendo;
2 garrafas de 100 ml de propofol
Dois frascos de 20 ml de propolf fechado
(3?) Frascos de 20
Três frascos de 20 ml de lidocaína aberto.
1 Frasco de 30 milhões de lido fechado
Frasco de 20 ml de diazolam aberto
1 4m diazopam fechado.
Ela encontrou uma garrafa sem rótulo vermelho que continha 14 cápsulas
emphederine.
Ela encontrou 5 buscards de Conrad Murray.
Ela declarou que as garrafas total de propofol encontrado foram 12.


Quinto dia Audiência preliminar. 10 de janeiro de
2011
Testemunhas: Stephen J. Marx, Tim
Lopes, Jaime Lintemoot


STEPHEN J. MARX

Examinador do DEA. Ele trabalhou por 8 anos. Seu trabalho é extrair e
apresentar evidências de computador no tribunal. Ele falou sobre o iPhone de Murray.

As telas do iPhone tem uma qualidade de telefone, que foi armazenado na memória
do telefone, JPEG.

Na quinta-feira, alguém enviou um CD-ROM com informações sobre o iPhone de Murray. O juiz reconheceu como prova. O cd contém
mensagens de voz e 12 telas.

A acusação usou as gravações de chamadas para criar uma cronologia do que
aconteceu no dia em que Michael morreu.

11:07 Call - Murray chamou seu escritório em
Las Vegas. Durou 32 minutos.

Em um e-mail, Bob Taylor (agente de seguros que trabalha no Lloyds Seguros)
falou com Murray, porque ele precisava
garantir uma disposição para o cancelamento dos shows. Murray
precisava falar sobre a saúde de Michael e dar uma resposta sobre o que a
imprensa disse sobre Michael - ele tinha câncer, lupus, etc.

Murray disse às 11:27 pm e disse: ".
Tudo isto é falso" No e-mail também tinha e-mails anexados aos
representantes de Michael ea AEG.


TIM LOPEZ


Farmacêutico em Farmácia Aplicada em Las Vegas. Trabalhando há 15 anos.

Murray o chamou em março 2009 perguntando
sobre benoquin (creme para o tratamento de vitiligo). A primeira vez que
conversamos sobre isso foi em novembro de 2008. Em março de 2009, Murray pediu 40 creme 30 gramas.

Murray, em seguida, perguntado sobre os
sacos de propofol e solução salina.

Ele disse que desde 06 de abril de 2009, Murray
começou a pedir muito Propofol. Naquele dia, ordenou que 10 frascos de 100ml e
uma caixa de frascos contendo 20 ml de propofol e 9 gotas de solução salina.

Este medicamento foi enviado para casa de sua namorada em Santa Monica.

No final do mês, também encomendou 20 frascos de midazolam eo lorazepam, 20.

Em 12 de maio, solicitou 4 caixas de propofol e midazolam 2 bandejas.

Em 10 de junho, Murray pediu quatro caixas e
dois frascos de 20ml de propofol.

Em suma, ele pediu 255 frascos de propofol em dois meses, incluindo 130 frascos
de propofol na dose de 100ml, e mais 125 na dose de 20 ml. Na farmácia disse
que tudo seria para tratar vários pacientes a qualquer momento, depois admitiu
que era apenas uma pessoa.

A primeira aquisição foi uma caixa com garrafas de 100ml de sacos de propofol e
solução salina.

Murray também perguntou se podia dar-lhe
alguma coisa para mantê-lo acordado e animado.

A farmácia fez uma mistura em um único comprimido de uso único e exclusivo de Murray. Incluído aspirina, cafeína e efedrina, e
fez 30 comprimidos com essa fórmula. Murray
disse que ele havia ajudado muito. (Murray
trabalhou normalmente durante a noite com Michael, então eu precisava estar
acordado).

Murray mentiu sobre o endereço de sua
namorada, dizendo na Farmácia que era sua Clínica.
Lopez disse-lhe que iria entregar pessoalmente, que fazia parte dessas ordens, Murray disse que não, para "Enviá-los por
Fedex."

Os advogados de defesa sugeriram que a quantidade de propofol que Murray deu a Michael em 25 de junho não foi
suficiente para matá-lo.

Lopez disse que durante os meses de abril e junho, Murray
chamou sua farmácia pelo menos 7 vezes para comprar drogas diferentes. Entre
eles, lorazepam, midazolam, propofol e flumazenil. Todos eles enviados para
Santa Monica.

Depois última opção discutida com Murray:
23, 24 jun.


JAIME LINTEMOOT

Criminologista Instituto Médico Legal de Los Angeles. Lintemoot também
testemunhou no caso do assassinato do produtor Phil Spector em 2007. Vindo a
trabalhar com mais 9 crimes.

Testemunhou que em 29 de junho foram as primeiras análises do corpo de Michael.
Eles indicaram que o propofol estava presente.(Opinião 70 gramas de líquido). A
lidocaína também encontraram, Diazepam, Lorazepam, Midazolam e efedrina.

Epinefrina testes foram positivos na urina e sangue (femoral sangue positivo,
negativo, no coração).

Ele testou em uma seringa, lidocaína e propofol encontrado.


ORLANDO MARTINEZ

Testemunhou que ele tentou manter contato com Murray
em 25 de junho, mas não conseguiu êxito. Teve que esperar até 27 de junho, em
um hotel em Marina Del Rey.

Na mesma reunião (que durou quase três horas), Murray
disse que tratava Michael um pouco mais de dois meses. Ele disse que o ajudou a
dormir à noite, seis dias por semana. (Murray
disse que conheceu Michael em 2006).

Em 2009, Murray tinha recebido um telefonema
de Michael Amir Williams (membro da segurança de Michael), na qual ele disse
que Michael queria te-lo como um médico para a turnê de "This Is It".
De acordo com Murray, Michael estava muito
animado e feliz.

Murray disse que normalmente injetava 50mg
de Propofol em Michael, e depois colocava o conta-gotas para mantê-lo dormindo.
Martinez disse que Murray garantiu-lhe que
50mg era o máximo que deu Michael.

Murray também disse estar preocupado que
Michael estava criando um vício de Propofol, então eu decidi tratá-lo com sua
permissão para remover o vício. Murray disse
a Martinez que diminuiu a quantidade de propofol que deu a Michael, e
introduziu Lorazepam Midazolam , para ajudar a dormir.

Martinez disse que Murray lhe disse que
começou a medicar Michael as duas horas em 25 de junho (para ajudar a dormir).
Horas mais tarde, Murray teria injetado
diferentes doses de midazolam e Lorazepam.

Como Murray disse, nenhuma droga ajudou
Michael dormir por muito tempo.

As 22:00 Michael ainda estava acordado, queixou-se a Murray
que ele precisava dormir pedindo apenas pelo" leite ", referindo-se
propofol Cerca 10:40 ou 10:50, Murray deu o
Propofol.

De acordo com Martinez, Murray deu-lhe
metade da dose normal (25 mg) por 25 minutos. Murray
disse que Michael estava dormindo sobre a 11h, e o monitorou por um tempo até
que ele pensou que a situação estava boa. Depois de verificar , fui ao banheiro
para relaxar por dois minutos e quando voltei, Michael não estava respirando.

Murray disse a Martinez que após retornar
para a sala logo depois das 11 horas, começou a fazer RCP e boca a boca em
Michael.

Quando perguntado por Martinez, por que não colocou Michael no chão, ele
respondeu: "Não podia mover Michael." Perguntado por que ele não
chamou a emergência, respondeu: "Eu estava cuidando de meu paciente, não
iria interromper meu trabalho."

Murray nunca disse nada sobre as chamadas de
telefone, SMS ou e-mail em 25 de Junho. Martinez perguntou se havia alguém na
sala além dele e Michael. Murray disse que
não.

Além disso, Murray disse que Michael
"gostava de injectar-se" e que "outros médicos o deixavam fazer
isso." Mas ele não .

De acordo com Martinez, Murray disse que não
viu o ataque cardíaco de Michael (outra contradição com o que os médicos da
UCLA depôs na semana passada).




CRONOLOGÍA

Pouco antes de 02:00, pílula Valium, 10 gramas.

02h00 - 2 mg de Lorazepam diluídas com solução salina. Michael mantido acordado
por uma hora.

Sobre 3h00 - 2 mg de Diazepam. 20 minutos depois que Michael adormeceu por
10-12 minutos. (Martinez diz que Murray
disse que ele olhou para o relógio para saber as horas, o que contradiz o que o
próprio Murray disse aos dois médicos na
UCLA).

Quando Michael acordei, Murray decidiu
desligar as luzes e música. Murray disse que
teria que cancelar os shows e se ainda não dormi ensaios.

Então lhe deu mais drogas: Mirazapam. No consiguió que Michael durmiera.
Michael não conseguia dormir.

. 05:00 - 2 mg de Lorazepam. Michael começou a se queixar sobre o cancelamento
de shows.

07:30 - Michael está acordado e conversando com Murray,
dizendo que ele está sob pressão para não cancelar a turnê. Murray dá 2 mg de Diazepam. Nenhum efeito.

10:00 - Michael pede "leite", referindo-se Propofol. 40-50 minutos
mais tarde, dado Propofol. Segundo ele, metade dada (25mg)

Depois de encontrar Michael fôlego e depois de fazer CPR e boca a boca,
administrado Tomazapil 2mg.


Sexto dia Audiência preliminar. 11 jan 2011Testemunhas: Christopher Rogers

Christopher Rogers, chefe médico legista que supervisiona os médicos que
trabalham no Instituto Médico Legal e, ocasionalmente, realiza autópsias.
Determina a causa e a maneira da morte.

Foi ele que conduziu a autópsia no corpo de Michael em 26 de Junhoe definiu que
a saúde de Michael era geralmente excelente.

alguns problemas da próstata, vitiligo, pólipos no cólon, inflamação e lesões
nos pulmões, e artrite na coluna vertebral.

Medindo 1,79 centímetros e pesava 61 kg. Segundo o legista, o peso é
proporcional à altura.

Ele não tinha problemas ou doenças cardíacas. ele não viu nenhum trauma ou
doença natural que poderia causar a morte.


Modo de morte:. Homicídio ", baseado em informações da medicação que ele
recebeu de Murray, e os cuidados médicos não
era ótimo Além disso, há coisas que deveria ter sido feito e deixado de fazer,
por exemplo, o médico não deve usar propofol para tratar insônia, e deve estar
preparado para possíveis complicações. Murray
deixou o paciente sozinho, enquanto estava sob a influência de um sedativo.
"

Causa da morte: a intoxicação aguda resultante Propofol efeito de
benzodiazepinas.

A forma da morte, incluindo o fato de "injeção realizada por outra
pessoa."

questão Flanagan: "De acordo com os resultados da autópsia, é possível que
Michael se injetou Propofol?". resposta de Rogers: "Não".

Rogers: "Durante a RCP e, geralmente, no post-mortem, o Propofol pode
escapar da corrente sanguínea para os tecidos."

O legista encontrou 70 gramas de um líquido escuro no conteúdo estomacal. Não
sei exatamente o que poderia ser.

Existem dois mecanismos para que as coisas chegar ao estômago. Se houver
hemorragia no estômago ou se as drogas são filtrados através dos órgãos
adjacentes.

Rogers diz que o Propofol não pode ser tomado por via oral, é necessário uma
IV. Além disso, a quantidade de propofol no estômago de Michael era muito
pequena.

(A defesa tenta mostrar que é possível que Michael estava bêbendo o Propofol)

Idealmente, 2 mg / kg (122mg, no caso de Michael - Murray
deu a 250mg). 25 mg, não chegaria a esse nível. Na verdade, eles teriam saido
fora do corpo de Michael em 10-20 minutos e Michael teria de acordar em 5
minutos.

Flanagan: "Se o médico dá uma injeção de 25mg de propofol, age
rapidamente, não" Rogers: "Sim, isso acabaria em um minuto Se a
administração não é contínua, o paciente está desperto.".

Flanagan: "Em um caso hipotético, se o Michael bebeu todo o propofol e
lidocaína, não seria um crime, não?" Rogers: "Sim, seria pelo simples
fato de que o propofol estava presente em um lugar que não pode ser
administrado.".

Michael não poderia ter auto-administrado propofol, devido à posição da IV. O
cateter estava na perna esquerda acima do joelho."Com base na qualidade da
assistência médica, eu ainda chamo isso um homicídio, mesmo se o médico não
administrar o propofol a Jackson", disse Rogers, chefe de medicamentos
forense, em Los Angeles County Coroner's Office da.

Outro cenário: Se Murray tinha dado a ele
mais de 25mg diariamente, entre as 10:40 h e 10:50 h, teríamos o mesmo
resultado: Michael acordado às 11h.

Pergunta: "Se, como dizem os paramédicos, Michael morreu por volta do
meio-dia, esses seriam os níveis que aparecem na autópsia" Rogers:
"Sim".


A próxima testemunha é o Dr. Richard Ruffalo.


Ruffalo é um anestesista e farmacologista clínico.

Neste caso, ele foi convidado a rever um conjunto de materiais e oferecer
sua opinião sobre qualquer possível desvio do padrão de atendimento.

Segundo o Dr. Ruffalo, se dado o propofol, as técnicas de monitoramento devem
ser utilizados.

Mas se alguém mistura propofol com outros medicamentos, os riscos de uma má
reação são aumentadas.

Ruffalo: "É evidente que precisamos prestar mais atenção ... você precisa
ser capaz de fazer esforços de reanimação".

- Ele diz que os níveis de propofol em MJ, no momento da sua morte seria ainda
maior pois o sangue é retirado depois que ele recebeu uma grande quantidade de
líquidos por IV e o propofol se degrada com o tempo.

- Dr, Ruffolo também acha os números dos benzodiazapams do sangue do coração,
ele acha que refletem uma injeção de uma dose maior do que o Dr. Murray afirma que ele deu.

- Dr. Ruffolo menciona requisitos de monitorização e dos equipamentos e o
treinamento necessário para resposta de qualquer situação de emergência .
izilda
izilda
Invincible
Invincible

Feminino Mensagens : 2226
Idade : 61
Localização : São Paulo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum